Brasil - Geologia , Recursos  Minerais e Mineração   < Home >  
    
           ENERGIA GEOTÉRMICA

A energia que flui do interior da Terra sob a forma de calor.                                          
   
.Uma fonte de energia alternativa limpa a ser considerada no Brasil?   
 
Segundo pesquisas realizadas nestes últimos anos, principalmente por cientistas americanos, alemães e japoneses, as rochas quentes e secas que compõem os denominados sistemas HDR (Hot Dry Rocks),  constituem um dos recursos geotermais mais abundantes encontrados na face da Terra (Duchane, 1995). Geralmente estão relacionadas com intrusões graníticas posicionadas em profundidades variáveis da crosta terrestre (3 a 5 Km), comumente encontradas em vários regiões do Planeta, inclusive naquelas destituídas de atividades vulcânicas.
 
Clique aqui para ver alguns detalhes de um Sistema HDR

Recursos Energéticos Geotermais


De acordo com suas temperaturas médias, os recursos geotermais são classificados como de baixa, média e alta entalpia. Os sistemas HDR, classificados como de alta entalpia, são potencialmente adequados para a produção de energia elétrica.

Nos últimos vinte anos, a tecnologia para se extrair a energia dos sistemas HDR tem sido principalmente pesquisada e desenvolvida nos USA, no Laboratório Nacional de Los Alamos, situado no estado do Novo México. 

Na década de 70, a possibilidade de se "minerar" a energia associada aos sistemas HDR foi demonstrada - em  pequena escala - pelas pesquisas desenvolvidas pelos USA no Laboratório de Nacional de Los Alamos, através de técnicas combinadas que envolveram: perfuração de poços profundos no sistema geotermal, fraturamento hidraúlico das rochas quentes e a circulação de água comum,  injetada e circulada artificialmente no sistema em regime de circuito fechado. Entre 1980 e 1986, um "reservatório HDR" maior, mais profundo e mais quente foi desenvolvido em Fenton Hills (New Mexico). Após a realização dos testes de produção, este reservatório foi então acoplado de maneira permanente à uma planta de produção de energia elétrica construída na superfície. Os testes de fluxo de calor  realizados entre 1991 e 1995 apresentaram resultados positivos interessantes, indicando claramente a possibilidade de se produzir energia elétrica de maneira econômica a partir de um sistema HDR.

Atualmente, alguns projetos de pesquisa visando o aproveitamento econômico da energia de sistemas geotermais do tipo HDR e de outros semelhantes, também profundos, formados por rochas naturalmente fraturadas estão sendo executados principalmente na Suiça, França e Austrália. A China, ultimamente vem demostrando um crescente interesse no uso de recursos geotermais. Detalhes e maiores informações sobre estes projetos podem ser obtidos nos links abaixo listados:
 

1 - Centre de Recherche en Geothermie - CREGE ;

2 - Geothermal Explorers Ltd. (Suiça); 

3 - Géothermie profonde - BRGM
                 (
Soultz-sous-Forêts - projeto em produção desde 2010) 

4 - Geodynamics Ltd., Austrália

5 - Engine - ENhanced Geothermal Innovative Network for Europe

6 - Petratherm - Empresa Australiana

Fonte: Duchane, D.V., Hot Dry Rock: A versatile alternative Energy Technology” (1995), Earth and Environmental Sciences Div., Los Alamos Laboratory. SPE Annual Technical Conference & Exbition, Dallas, USA, 22-25 October, 1995.



Dados sobre energia geotermal no Brasil  

 - Um importante acervo de dados e informações técnicas sobre o potencial e a possibilidade do uso da energia geotérmica no Brasil encontra-se  disponível nos Anais do Simpósio Brasileiro  sobre Técnicas Exploratórias Aplicadas à Geologia,  promovido pela Sociedade Brasileira de Geologia em Salvador - Bahia, no ano de 1984. Nesse Simpósio, foram discutidos vários  aspectos relacionados aos sistemas  de baixa, média e alta entalpia, e ainda a necessidade de se desenvolver um programa de pesquisa de âmbito nacional, visando obter uma idéia mais precisa sobre os recursos e sobre a potencialidade do território brasileiro em energia geotérmica.




Página e informações organizadas pelo Geólogo Nelson Custódio da Silveira Filho


Retorna